O programa “Atrás das Câmaras”, da SIC Notícias, continua à procura dos problemas que preocupam as populações de várias regiões do país. Na segunda feira, 25, esteve na Lousã, onde a perda do transporte ferroviário é uma das maiores preocupações.
Cedo, a equipa da SIC estacionou na antiga estação do comboio da Lousã, para permitir à população interessada a denúncia da situação caótica em que se encontra o Ramal da Lousã, linha estruturante da região que foi irresponsavelmente desmantelada há quase oito anos.
Foram entrevistados João Serra, agente imobiliário, Álvaro Francisco do Movimento de Defesa do Ramal da Lousã e Pedro Curvelo de Lousã pelo Ramal.
No local, foram ouvidos também cidadãos de várias faixas etárias e profissões, traduzindo todos o grande prejuízo causado às populações.
Pelo telefone, falaram várias pessoas ligadas à Lousã ou Miranda, algumas dizendo que os autarcas locais também têm grandes responsabilidades no desmantelamento da centenária linha de comboio: Maria de Lourdes, reformada, 70 anos; Maria Lopes, veterinária, 52 anos; Olindina Carvalho, reformada, 65 anos; Carlos Figueiredo, sociólogo, 61 anos; Vítor Gomes, 60 anos, radicado no Barreiro e natural da Lousã (muito emocionado); Armando Fonseca, mecânico, 54 anos; Gildo Mendonça, operador de máquinas, 31 anos.
Durante a emissão, que durou cerca de uma hora, a SIC Notícias foi exibindo imagens aéreas obtidas a partir de um “drone”, mostrando a situação de abandono do canal ferroviário, que contradizem a recente afirmação do ministro Pedro Marques (2 de junho) que a “a desmatação já começou e as obras já estão no terreno” para o agora prometido Metro Bus, antes BRT. Todas as intervenções (no local e por telefone) foram no sentido de considerar uma grande perda para a Lousã e região a perda do comboio. E foi quase unânime a opinião de que a solução necessária e urgente é a reposição dos carris e do transporte ferroviário.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1362