Há cerca de 25 anos que o mesmo convívio tem vindo a repetir-se, embora o ensino técnico na Lousã tenha já 51 anos. “Há meio século, o ensino técnico e secundário resumia-se a Coimbra e aqui foi, através do Dr. Carlos Antero e da esposa, que foi criada uma secção da Escola Avelar Brotero, que congregava alunos de Miranda, Arganil e Góis”, lembra Carlos Lopes, membro da comissão organizadora do encontro deste ano, antigo estudante que vinha do concelho de Miranda do Corvo.
Todos os anos a lista de ex-alunos vai aumentando, e este ano foram acrescentando mais 25 nomes, através de contactos verbais.

Escola Secundária da Lousã deverá ter como patrono professor Carlos Antero
A ideia de fazer uma homenagem ao professor Carlos Antero já surgiu há alguns anos, entre os seus antigos alunos. Inicialmente, a intenção era criar um topónimo, mas no seio da Comissão de Toponímia surgiu a proposta de atribuir o seu nome como patrono da Escola Secundária, já que foi ele que prolongou o ensino técnico na Lousã e eram poucos aqueles que tinham condições financeiras para frequentar o ensino liceal, em Coimbra. “A proposta já foi aprovada na Comissão de Toponímia, agora os novos elementos que tomarem posse devem desenvolver o processo, contactando novamente a direção da escola, o Ministério da Educação para depois ser aprovada em sessão de Câmara”, explicou-nos Conceição Loureiro, da organização do convívio. Paralelamente, continua a recolha de assinaturas junto dos antigos alunos e dos lousanenses com vista à realização da homenagem. Embora proibido pelos médicos de sair de casa, Carlos Antero veio de Coimbra à Lousã participar neste convívio.

 

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1364