O programa “Sexta às 9”, da RTP, foi à procura do ponto de ignição de um dos incêndios mais graves de 15 de outubro, o da Lousã. Segundo o programa emitido dia 27, no canal 1, a PJ acredita que terá começado com a queda de uma árvore seca numa linha de média tensão da EDP.A elétrica nacional descarta responsabilidades no incidente, mas assume que a árvore caiu sobre a linha, 12 minutos antes do alerta de incêndio. No programa, a RTP recorda que o alerta de incêndio foi dado às 8:41 de domingo, junto a Prilhão, na Lousã. O programa de TV mostrou um eucalipto no solo e mais ardido no topo do que no resto do tronco.

EDP confirma queda de árvore

Contactada pelo “Sexta às 9”, a EDP informou que registou a queda de uma árvore sobre a linha de média tensão, na zona de Prilhão, provocando que esta se desligasse, pelas 8:29, mas nega que se tenha registado qualquer incêndio. O alerta de incêndio foi registado 12 minutos depois. Segundo a EDP, a árvore tinha 14 metros de altura, estava seca, fora da faixa de proteção e a sua conservação era obrigação do proprietário. A empresa garante, ainda, que o registo fotográfico da equipa da EDP que se deslocou ao local, obtido às 11:15, confirma que não houve qualquer incêndio mas esse registo fotográfico não foi disponibilizado. Entrevistado pela RTP, o comandante dos Bombeiros Municipais da Lousã diz que esta é uma possibilidade de origem do incêndio e vários populares descrevem ter ouvido um barulho como uma bomba pouco antes do início do fogo.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1365