O incêndio que atingiu o concelho da Lousã, de 15 a 17 de outubro, entre domingo e terça-feira, mobilizou também um conjunto de voluntárias que confecionou mais de mil refeições no quartel dos Bombeiros Municipais da Lousã. As orientações de logística provieram do comando operacional, que definiu as ementas e coordenou a distribuição por todos os bombeiros ao serviço no concelho, incluindo os que vieram de outros pontos do país.

“Como nota pessoal da experiência, destaco a dedicação e entrega do grupo de voluntariado que se juntou espontaneamente no quartel para confecionar e ajudar a embalar as doses individuais das refeições”, referiu-nos Graça Polaco,  uma das voluntárias, que expressou também “a prontidão com que a população respondia às necessidades”. “Por exemplo, usámos um apelo nas redes sociais quando estavam a faltar cebolas e polpa de tomate e alguns minutos depois chegaram muitos donativos”, testemunhou.

Do grupo de voluntárias faziam parte mães e esposas de bombeiros, que permaneciam, segundo Graça Polaco, “sempre com o coração nas mãos”. Apesar disso, nunca pararam o trabalho, mesmo estando horas a fio sem notícias dos seus.

De realçar que cada bombeiro chegou a estar 24 horas seguidas em serviço, sendo de destacar a mobilização de todos os meios ao dispor no dia de segunda-feira, dia 16, estando o quartel vazio de viaturas e recursos humanos.

No serão de terça, já com o incêndio controlado, o Comandante dos Bombeiros Municipais, João Melo, e o então presidente da Assembleia Municipal, Amândio Torres, agradeceram pessoalmente ao grupo de mulheres voluntárias, deixando a nota de que no “briefing final” com as entidades envolvidas tinha sido destacada a qualidade das refeições.