João Pinto Coelho, o escritor vencedor do Prémio Leya 2017 com o romance “Os Loucos da Rua Mazur”, esteve no Agrupamento de Escolas da Lousã no dia 8 de janeiro. Foi entre alunos do 9.º ano que o escritor marcou presença às 10:30 na Escola Secundária e às 12:00 na Escola Básica n.º 1 para, no âmbito da disciplina de História, debater o tema Holocausto.

Numa primeira abordagem, João Pinto Coelho explicou aos estudantes o que realmente foi o assassinato em massa, fazendo a contextualização histórica e esclarecendo como a Alemanha Nazi ocupou a Polónia e atuou na mesma, construindo uma rede de campos de concentração destinados maioritariamente aos judeus.

Auschwitz, o nome alemão dado à cidade polaca Oświęcim, foi durante anos, a cidade do escritor, devido aos seus diversos estudos aprofundados sobre esta temática. As suas vivências e contacto com sobreviventes do maior genocídio da história da humanidade, com o registo de 6 milhões de mortes judias por toda a Europa, permitiu a Pinto Coelho explicar de forma clara, objetiva e natural como o Holocausto foi vivido por pessoas inocentes.

“As fábricas da morte” – analogia apresentada pelo escritor – foi o mote para explicar tudo o que estava envolvido no processo de extermínio. O silêncio foi profundo no auditório, demostrando o interesse de todos.

 

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1370