Aproveitando a visita do deputado do BE e Vice-Presidente da Comissão de Saúde da Assembleia da República, Moisés Ferreira, no dia 5 de março, ao Centro de Saúde da Lousã, o coordenador da Unidade de Saúde Familiar Serra da Lousã, João Rodrigues mostrou algumas fragilidades do edifício.

Às deficiências já conhecidas (portas de entrada pouco funcionais, elevador sem capacidade para macas, sanitários conjuntos para homem, senhora e criança), João Rodrigues mostrou os problemas mais recentes. Dois gabinetes (médico e de enfermagem) apresentam infiltrações de água, que afetam já os tectos, estando só em funcionamento pela metade. Uma situação que já foi reportada à Administração Regional de Saúde do Centro, proprietária do imóvel, mas cuja resolução está a demorar.

Recursos humanos em falta

Além das debilidades do equipamento, estão também em falta recursos humanos que possam constituir equipas multidisciplinares. João Rodrigues referenciou a escassez de profissionais nas áreas da psicologia, terapia da fala, nutrição, oftalmologia, estomalogia, que pudessem trabalhar de forma integrada. “Estes deveriam ser cuidados de proximidade, mas os cuidados de saúde primários são o parente pobre”, alertou João Rodrigues. Da visita ao Centro de Saúde, a comitiva do BE concordou com a “lamentável demora de contratação de recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar e na completa paralisia do atual Ministério da Saúde no que respeita ao relançamento da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários”.

Esta visita inseriu-se no “Roteiro em Defesa do SNS”, em que para além da visita à Lousã, o deputado Moisés Ferreira, António Rodrigues (Médico do Centro de Saúde de Celas) e António José André, que reuniram com o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, e o Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Fernando Regateiro.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1374