Embelezar um andor como o da Senhora da Piedade não é tarefa fácil para as mulheres que são escolhidas pelos cumpridores de promessas, para a colocação de flores. Normalmente esse trabalho recai sobre as floristas, mas por vezes é da responsabilidade das zeladoras da Igreja.

Em cada festejo, o andor é enfeitado cinco vezes, sempre por promessa. Numa terra como o concelho da Lousã, com milhares de habitantes, não é de surpreender que já não haja vaga para o ornamentar nem este ano, nem para 2019. Embora não seja um serviço barato, muitos fiéis não olham a despesas quando se trata de cumprir uma promessa feita à Senhora da Piedade, quando as graças são alcançadas. O tipo de flores a colocar depende da vontade do autor da promessa e a quantidade de pés necessários varia segundo a dimensão das flores.

Manuela Carvalho enfeita o andor há cerca de duas décadas. Feirante habitual do Mercado Municipal, onde tem clientes já certos, sabe já quantas flores são necessárias, segundo o tamanho. Foram a suas mãos que enfeitaram o andor para a procissão da descida, dia 15, com rosas de Santa Teresinha. “É uma rosa bonita, tem uma cor clarinha, e é mais fora do vulgar. Quem fez a promessa deixou ao meu critério”, comentou ao nosso jornal, revelando terem sido necessários 200 pés de rosas e 64 antúrios para preencher toda a largura do andor. Depois da restauração e pintura da imagem há uns anos, Manuela Carvalho passou a ter mais cuidado para não cobrir os dourados da imagem que, na sua perspetiva, devem ficar à vista, optando por flores “mais baixas”. Residente em Lagoas (Ceira), tem seis estufas, onde crescem cravos, cravetas, gerberas, coroas de rei, rosas, entre muitas outras qualidades de flor.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1377