No passado dia 24 de novembro comemorou-se o 25º aniversário da campanha “Ser Solidário”, uma iniciativa de angariação de fundos da responsabilidade dos fundadores do Jornal Trevim com o objetivo de apoiar o quinzenário na ação judicial movida pelo então presidente da Câmara da Lousã, Horácio Antunes, contra o diretor do jornal.

A queixa-crime, sustentada num alegado abuso de liberdade de imprensa, acabaria por redundar na absolvição do então diretor, Casimiro Simões, após a confirmação pelo Tribunal da Relação de Coimbra, em Novembro de 1993, da sentença proferida pelo tribunal de primeira instância.

Mais do que a vitória no processo judicial, aquilo que, na realidade, se comemorou, foi a prevalência dos princípios norteadores deste jornal: a seriedade, a imparcialidade e o rigor. Se, por um lado, vivemos num regime democrático, onde a liberdade de informação está consagrada na nossa Constituição, por outro, continua a ser penoso o caminho de quem pretende levar até ao público uma informação de qualidade, sem se deixar condicionar por qualquer poder político (seja ele socialista, comunista, social democrata ou outro qualquer) ou por um qualquer interesse económico ou pessoal.

As águas do jornalismo são por vezes agitadas, mas é imperioso remar, mesmo contra os ventos que sopram, pelo direito a uma informação não condicionada, transparente e profissional.

Assim queremos continuar nos próximos 25 anos: erguidos, limpos e preparados para os desafios vindouros, venham eles de onde vierem.