Uma sanita partida e restos de material orgânico junto a um contentor do lixo na Rua Comandante João Ramos, transversal à Rua de Coimbra, motivou uma moradora a enviar uma imagem ao nosso jornal a denunciar a situação, apelando ao caráter de educação cívica que um jornal também deve assumir. Além de publicarmos a fotografia enviada, procurámos ir mais longe, tomando pulso a um problema que é mais sério que, a princípio, possa parecer.

Embora no centro urbano da vila não seja muito comum encontrar entulho no exterior dos reservatórios próprios para os resíduos sólidos urbanos e para a reciclagem, uma viagem pelo concelho permite-nos perceber outras realidades. Henrique Lourenço, presidente da Junta de Freguesia de Foz de Arouce e Casal de Ermio, tem-se visto na obrigação de recorrer ao serviço de recolha de monos da Câmara Municipal da Lousã indicando os locais onde há vazamento de lixo, seja junto a contentores, seja em autênticas lixeiras a céu aberto. E elas sucedem-se, por exemplo, no largo da ponte junto ao chafariz, na rua de acesso ao ACM, na estrada que liga Casal de Ermio a Vila nova de Poiares, já depois do polo empresarial. “Não é só aqui na freguesia, virou moda em todo o concelho”.

“Lixo importado de outros concelhos”

Componentes de automóveis, resíduos de obras, televisores, frigoríficos, isolamentos de cabos elétricos, pneus e móveis são alguns exemplos de materiais abandonados. “Já liguei para o serviço de recolha de monos da C em dia e hora marcados. crique Lourençoar ao fim de semana. Para esso ao ACM, na estrada que liga Casal de Ermio a Vila nova deâmara da Lousã  para virem buscar o que as pessoas, de forma criminosa, colocam em vários lados na freguesia de Foz de Arouce”, referiu-nos o autarca, que identificou ao Trevim “uma bolsa” existente na estrada que liga Casal de Ermio ao concelho Vila Nova de Poiares como um local onde já houve “toneladas de lixo”, entretanto removidas pelos serviços da autarquia lousanense.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1397