No dia 29 de janeiro, uma jovem de 13 anos foi agredida por três colegas, com idades compreendidas entre os 15 e os 16 anos, dentro das instalações da Escola Secundária da Lousã. O episódio de violência foi reportado à Guarda Nacional Republicana e à direção do Agrupamento de Escolas da Lousã (AEL) que abriu um inquérito para apuramento das circunstâncias do incidente.

Deste setembro que Madalena, aluna do 7.º ano, sofre ofensas verbais dentro e fora do estabelecimento escolar, contudo naquele dia foi alvo de agressões físicas pela primeira vez, uma situação que conduziu a mãe da vítima, Ana Lagartinho, a exigir responsabilidades junto do AEL.

“O que mais me revolta é que eram três contra uma – duas a agarrar e outra a bater”, lamentou a progenitora, em declarações ao Trevim. Segundo informação já divulgada na comunicação social, após a agressão, Madalena terá contactado o irmão mais velho, aluno de outro estabelecimento, que foi em auxilio da jovem e alertou a mãe de ambos para a situação.

No dia seguinte, Ana Lagartinho decidiu que a filha deveria ficar em casa, como medida de precaução. Conta que as alegadas agressoras ainda não sofreram quaisquer medidas de punição e, desde então, estão diariamente no portão da escola à espera de Madalena, que entretanto continua a frequentar as aulas, “mesmo sem vontade”.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1398