Segundo conta a lenda, o Castelo da Lousã, classificado como monumento nacional em 1910, terá sido edificado na época de ocupação muçulmana da Península Ibérica pelo chefe árabe Arunce, com o objetivo de proteger a sua filha Peralta e os seus tesouros, após ter sido derrotado e expulso de Conímbriga. Erguido há largas centenas de anos para ser impenetrável, o Castelo da Lousã apresenta atualmente uma acessibilidade plena, resultado das obras de qualificação e acessibilização realizadas no equipamento, inauguradas dia 27 de abril.

A intervenção representa um investimento de 354 mil euros, financiado em 213 mil euros por fundos comunitários obtidos através do Pacto para o Desenvolvimento Territorial celebrado entre a Câmara Municipal da Lousã, a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional. O projeto, do arquiteto Fernando Silva, consistiu na criação de acessos e de um miradouro na Torre de Menagem, na construção de uma escada metálica em caracol, instalada na Praça de Armas que permite o acesso à entrada da torre, bem como de rampas de acesso e instalação de iluminação no monumento. Resultou ainda na construção de um frontispício com texto de José Saramago sobre o Castelo da Lousã, na modernização do miradouro já existente com vista para a serra e na criação de um Centro Interpretativo.

 

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim N.º 1404