Inaugurada a 2 de maio, a exposição “Memórias do Rally” do fotógrafo lousanense Renato Ferreira, patente até 1 de junho na Biblioteca Municipal Comendador Montenegro, permite ao público viajar no tempo até a algumas das classificativas do Rally de Portugal que decorreram na Lousã entre 1983 e 1997.

Dezenas de imagens que mostram ambientes da Lousã, e evidenciam “a proximidade que havia, na altura, entre a população e os pilotos”, recordou Renato Ferreira, amante da fotografia mas também do mundo automóvel. Referindo-se às pessoas que se veem repetidamente em algumas das fotografias, o fotógrafo explicou que mesmo “não havendo telemóveis”, a palavra era passada e “ninguém arredava pé”.

“Se passava uma carrinha com autocolantes, era a assistência. Podia estar a vender sapatos, mas era a assistência” contou. Renato Ferreira, acredita que a classificativa da Lousã do Rally de Portugal, marcada para dia 31 de maio, “vai ser um bocadinho diferente”, fruto das restrições de segurança implementadas para proteção do público.

Em algumas das edições do evento desportivo, era na Lousã que os pilotos ficavam instalados e onde era também realizada a manutenção dos veículos para as classificativas com passagem no concelho e na região. “Os anos de ouro do Rally de Portugal”, retratados em imagens da mítica “Curva Escura” e do troço “Lousã – Relvas”, com a marca de “uma geração que amava” o evento.

“As quartas feiras à tarde, em que não havia aulas, eram momentos de romaria para serra, mesmo que não aparecesse um único piloto”, reforçou Luís Antunes, presidente da Câmara Municipal da Lousã, organizadora da exposição.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim N.º1404