A Festa da Caricatura encerra com tertúlia na Biblioteca Municipal, sob o tema da exposição que ali termina: “Sorrindo com a Paz”.

A tertúlia, moderada por Osvaldo de Sousa enquanto curador da exposição, tem início às 21:00, no dia 8.

Ao Trevim, Osvaldo de Sousa coloca uma pergunta: é possível sorrir com a guerra, com a violência? E responde: Se houve antídoto fundamental na sobrevivência nos campos de batalha da Grande Guerra de 1914/18, e nas outras, foi o humor; criando-se jornais das trincheiras, enviando-se caricaturas e desenhos de humor para a retaguarda. E acrescenta: é certo que a APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) não publica nenhum jornal de humor para exorcizar os medos e feridas dos que a ela recorrem, mas também temos de ter presente que, segundo a definição utópica, o humor é essa visão descarnada da realidade, sob uma perspectiva filosófica em que o espelho do grotesco aumenta os defeitos, os vícios, quando nos faz rir de nós próprio e com os outros. Obriga-nos a enfrentar com uma consciência mais presente os medos, os erros, as malformações e virtudes da humanidade. Com o sorriso e o riso ferimos os nossos inimigos enfrentando-os cara a cara. E acrescenta: O bom humor é um criador de pontes, de diálogo, já que este não deve rir-se das coisas mas com elas. Se assim é, eis um ponto de partida para a tertúlia: por que é que estas ferramentas não são mais desenvolvidas como estrutura pedagógica no sistema educativo?

Durante a sessão, será também apresentado o catálogo da exposição “Sorrindo com a Paz”.