Avançar para o conteúdo principal

Planta primitiva com 300 milhões de anos “redescoberta”

Espécie de fóssil guardada há mais de 100 anos na coleção do Museu de História Natural e da Ciência da U.Porto foi descrita pelo investigador Pedro Correia, alumnus da FCUP.

Trata-se de uma planta primitiva com mais de 300 milhões de anos, estava guardada nas coleções do Herbário do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP) há mais de um século e foi devidamente identificada e descrita pelo investigador Pedro Correia, alumnus da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP).

“Este novo fóssil de planta primitiva das modernas gimnospérmicas revela as primeiras evidências morfológicas de uma adaptação evolutiva aos ambientes em mudança que ocorreram na Bacia Carbonífera do Douro (Ibéria), quando esta região era tropical no tempo em que o supercontinente Pangeia se estava a formar”, explica o investigador, sobre uma descoberta publicada em janeiro de 2022, no jornal Historical Biology.

A Lesleya ceriacoi sp.nov, assim batizada em homenagem a Luís Ceríaco, curador chefe e responsável pelas coleções do MHNC-UP, é uma prova da adaptação da flora a um clima mais seco. De acordo com Pedro Correia, desapareceu, nesta época, flora típica de zonas húmidas, espécies formadoras de carvão como as licófitas e apareceram plantas adaptadas.

“Tais adaptações morfológicas especializadas compreendem margens dentadas e dissecadas (laceradas) em folhas estreitas e que ocorreram durante uma importante mudança climática no período Carbónico. Esta mudança climática do passado correspondeu a uma transição de um clima húmido para um clima seco e árido após o final de uma Idade do Gelo (glaciação) do Paleozóico no sul do continente Gondwana no final da era Paleozóica”, acrescenta o investigador, doutorado em Geociências pela FCUP.

Por outro lado, estas margens dentadas podem também significar um mecanismo de defesa contra ataques de insetos herbívoros (insetos galhadores).

Conhecer o passado para compreender o futuro

Sobre a importância desta descoberta, o alumnus da FCUP não tem dúvidas: “Este artigo é fundamental para compreender as adaptações das plantas às mudanças climáticas e a evolução das composições florísticas residentes que ocorreram na Península Ibérica durante os tempos Carbonífero e Pérmico. Além disso, este estudo original fornecerá informações únicas sobre como a natureza se adapta ao clima mais quente e seco que pode caracterizar o futuro da Península Ibérica”, refere Pedro Correia.

Esta descoberta paleontológica nas coleções históricas do MHNC-UP representa igualmente uma importante contribuição para o conhecimento e compreensão do grupo de “plantas adaptadas ao clima seco” (flora tolerante à seca) que ainda é pouco conhecido para os ecossistemas terrestres paleozóicos.

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Tags: APimprensa
Autor: Jornal Trevim

0 Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    five × 5 =

Meteorologia

Artigos relacionados

Trevim: Leia também Em busca de um percurso rumo a uma ética, baseada na gratidão e no respeito – a aprendizagem, as crianças e os jovens … APImprensa
16 Fev 2022 03:43 PM

José Mário Cachada As crianças e os jovens possuem, em maior ou menor escala, algo dos modelos que vão aprender. Na verdade, é nossa forte convicção, de que na aprendizagem não se parte do ponto zero, se assim se pode...

Ler artigo
Trevim: Leia também Descoberto raro super mercúrio APImprensa
19 Jan 2022 03:51 PM

Com dados da missão espacial Kepler, da NASA e dos espectrógrafos HARPS e CORALIE, do ESO, uma equipa liderada por um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço descobriu um raro super mercúrio. Uma equipa liderada pelo investigador...

Ler artigo
Trevim: Leia também A revisão entre pares abordada no filme “Não Olhem para Cima” é um dos pilares da ciência APImprensa
14 Jan 2022 08:51 PM

Joana Grave Contribuir para o avanço do conhecimento é algo que todos os cientistas ambicionam. Mas para isso, é necessário que as suas descobertas sejam validadas por outros cientistas. Esta validação é feita através do processo de revisão entre pares,...

Ler artigo
Trevim: Leia também Glaciares APImprensa
08 Set 2021 01:28 AM

Ivone Fachada Sabia que às grandes massas de gelo em movimento que existem no planeta se chamam glaciares? Ocorrem apenas em zonas de baixas latitudes (como os pólos) ou em zonas de altas altitudes (como algumas regiões montanhosas). Os glaciares...

Ler artigo
Trevim: Leia também A voz materna reduz a dor em bebés prematuros APImprensa
02 Set 2021 09:49 AM

Um bebé nascido prematuro tem frequentemente de ser separado dos seus pais e colocado numa incubadora em cuidados intensivos. Durante várias semanas, ele ou ela irá submeter-se a procedimentos médicos de rotina que podem ser dolorosos, sem não forem aliviados...

Ler artigo
Definições de Cookies

A TREVIM pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são essenciais para fornecer serviços disponíveis no nosso site e permitir que possa usar determinados recursos no nosso site.
Estes cookies são usados ​​para fornecer uma experiência mais personalizada no nosso site e para lembrar as escolhas que faz ao usar o nosso site.
Estes cookies são usados ​​para coletar informações para analisar o tráfego no nosso site e entender como é que os visitantes estão a usar o nosso site.

Cookies estritamente necessários Estes cookies são essenciais para fornecer serviços disponíveis no nosso site e permitir que possa usar determinados recursos no nosso site. Sem estes cookies, não podemos fornecer certos serviços no nosso site.

Cookies de funcionalidade Estes cookies são usados ​​para fornecer uma experiência mais personalizada no nosso site e para lembrar as escolhas que faz ao usar o nosso site. Por exemplo, podemos usar cookies de funcionalidade para se lembrar das suas preferências de idioma e/ ou os seus detalhes de login.

Cookies de medição e desempenho Estes cookies são usados ​​para coletar informações para analisar o tráfego no nosso site e entender como é que os visitantes estão a usar o nosso site. Por exemplo, estes cookies podem medir fatores como o tempo despendido no site ou as páginas visitadas, isto vai permitir entender como podemos melhorar o nosso site para os utilizadores. As informações coletadas por meio destes cookies de medição e desempenho não identificam nenhum visitante individual.