Avançar para o conteúdo principal

“Quando volto à Lousã, ainda me cruzo com amigos de infância”

É um dos rostos mais conhecidos dos miúdos e graúdos de todo o país. O Trevim esteve à conversa com Carlos Alberto Vidal, o alter-ego do Avô Cantigas que está prestes a completar 50 anos.

Entrevista por: Carlos Sêco

Trevim – que recordações é que guarda do dia em que, com seis anos, cantou “A Procissão”, de João Villaret, numa festa de Natal da Companhia de Papel do Prado?

Carlos Alberto Vidal – Esse momento é de facto importante para mim, porque eu viria depois a seguir uma carreira ligada à música a cem por cento e essa atuação, ainda que fosse só como intérprete. Pode dizer-se que foi aí que começou a exposição daquilo para o qual eu tinha nascido, que é a música. Eu costumo referir esse momento como uma estreia em palco. Nessa altura, eu não sonhava, nem tinha perspetivas algumas de ser aquilo que vim a ser. No entanto, o gosto pela música já estava ali a marcar presença que é fundamental nas escolhas da vida. Comecei com esta queda para a música e um certo à-vontade para subir para cima de um palco e foi a cantar “A procissão”, do João Villaret e do António Lopes Ribeiro. Nessa mesma festa, recitei um outro poema de João Villaret chamado “A Casa Portuguesa”. Foi um momento de recitação. Aquilo eram récitas de Natal, numa festa grandiosa. A Companhia de Papel do Prado tinha centenas e centenas de operários e, se juntarmos o resto das famílias, era um ponto de encontro muito importante. Tudo isto terá acontecido no Natal de 1960. Foi para mim uma atuação memorável, porque tenho perfeitamente a memória do quanto ela correu bem.

Como foi a sua infância na lousã e que amizades ainda guarda desse tempo?

A infância foi boa. Os meus avós viviam junto à Fábrica de Papel do Prado, num lugar chamado Espandior. As pessoas mais antigas lembrar-se-ão. As casas já lá não estão e foram construídas outras estruturas no local. A minha infância passou muito pela casa dos meus avós, porque eles viviam a dois passos da Serra. Eu corria durante trinta segundos e estava dentro da Serra, por entre aqueles carreiros acima que iam dar à Nossa Senhora da Piedade e que eu conhecia de cor. Eu fazia isso cavalgando, em cima do meu cavalo imaginário. Era na Regachina que nós iniciávamos a subida do rio até ao castelo. Essa subida do rio que eu fiz durante a infância, fi-la depois com os meus próprios filhos. É uma zona da nossa Serra da Lousã que não está propriamente nos mapas turísticos.

A Lousã corre-lhe nas veias?

O meu pai, Carlos Filipe era de Vale de Maceira e conheceu, namoriscou e casou com uma rapariga da Lousã que é a minha mãe, Maria Emília Vidal. Eu nasci no Hospital de São João. O meu pai, na Lousã, tinha o Café Beirão, no fundo da vila, na Rua Dr. Pires de Carvalho, onde eu vivi. No que toca a amizades, quando ainda hoje vou à Lousã, volta e meia, cruzo-me com antigos amigos desses tempos de infância e, em vez de um fugaz “olá! Tudo bem?”, ficamos ali, muitas vezes, em bonitas conversas à volta de um café ou de uma mesa de bilhar em cafés que eu penso já não existem. Tenho memórias de jogar bilhar na Leitaria Central ou no Café Império, já eu vivia em Cascais. Esse contacto ainda se mantém.

A família mudou-se depois para Cascais…

Eu fiz a Escola Primária toda na Lousã, bem como uma parte do Liceu e terá sido com 11 ou 12 anos que nos mudámos de armas e bagagens para Cascais. Nessa decisão do meu pai, eu fui visto e achado. Ele pensou para mim, obviamente, um futuro melhor e com outros horizontes. Na altura, não acredito que eles imaginassem que iria dar no que deu: a carreira de músico, com o Avô Cantigas, como figura principal e prestes a fazer 50 anos.

É mais conhecido pela sua carreira no papel do Avô Cantigas. No entanto em 1976, com o nome de Carlos Alberto Vidal, lançou “Changri-Lá”, um álbum que é considerado um marco no campo do Rock Progressivo feito em Portugal. Se o Avô Cantigas não tivesse sido um êxito, o Carlos Alberto Vidal seria hoje o equivalente aos Xutos & Pontapés?

Não, porque depois do “Changri-Lá”, ainda passaram muitos anos até surgir o Avô Cantigas. Eu fui sempre bastante diversificado. Isto não aconteceu porque eu o tivesse determinado, em termos de escolher um trajeto para uma carreira. Não. As coisas foram-me acontecendo na vida. Eu gravo o primeiro disco em 1973, com alguns temas perfeitamente enquadrados na chamada música popular, em que eu tenho algum sucesso e sou acarinhado pelo público. Quando gravo o “Shangri-Lá”, cerca de quatro anos depois do primeiro disco, esse trabalho não tem absolutamente nada a ver, em termos musicais, com o espírito e o estilo dos primeiros discos. E os trabalhos que se seguem a “Shangri-Lá” também não. Há uma mudança radical que não é pensada.

Porque é que aconteceu este trabalho tão diferente do resto da sua obra?

Foi uma necessidade, porque na minha adolescência, já em Cascais, musicalmente, estive sempre ligado à música anglo-saxónica. Era o que nós ouvíamos. Eu sentia-me, enquanto músico, com habilidade de sentir, cantar e compor algumas músicas que pudessem sair da estrutura mais ou menos instituída do que é uma canção. Havia outras maneiras de mergulhar na música e ainda hoje sinto-me capaz de fazer isso. Depois do “Changri-Lá”, eu virei um artista pop, embora tenha tido sucesso com a “Cantiga do Chouriço”, um tema popular, além de ter participado em vários festivais da canção.

O Avô Cantigas já pisou muitos palcos e até já virou personagem de animação em 3D. O que falta fazer a esta figura nascida em 1982, no célebre programa “Passeio dos Alegres”?

Eu não sou um grande sonhador. Às vezes, com pessoas mais chegadas, em conversas que temos, fala-se do quanto eu poderei ter desperdiçado algumas oportunidades ou comportamentos que me poderiam ter levado a ainda mais sucesso ou a conseguir isto ou aquilo. Sempre fui deixando que acontecesse aquilo que tem acontecido. Uma coisa me daria muito gosto se acontecesse: um programa de televisão com o Avô Cantigas, mas não é fácil. Já tive essa oportunidade no programa “Vitaminas”, com a Sofia Sá de Bandeira.

Alguma vez pensou que o Avô Cantigas, ao fim de quase 40 anos, já não precisaria de se caraterizar?

Não pensei nisso durante 10, 15, 20 anos, porque eu punha a minha cabeleira e pintava o meu bigode. Não pensava: “será que um dia vou ser mais velho e fazer isto de um modo muito mais simples?”. De há uns 10 anos para cá é que comecei a pensar nisso, numa altura em que deixei de usar a cabeleira. Eu hoje canto para os filhos dos meus netos de há 40 anos. Quando surge o “Fantasminha Brincalhão”, foi um reforço extraordinário que ainda me ajudou até aos dias de hoje. Isto é sempre a somar desde que começou. Por isso é que vou gravar mais um CD.

O que é que o Avô Cantigas nos pode contar sobre o seu novo disco?

Para falar do meu novo disco, tenho de falar de dois trabalhos. Isto porque saiu agora “Salsifré das Galinhas” e que já está disponível no Youtube. Não temos tido muito a oportunidade de o promover, um pouco por causa de tudo o que está a acontecer. Logo que possamos retomar os espetáculos, é esse trabalho que vamos apresentar. Independentemente disso, tenho como projeto um disco de originais para 2022. Ainda estou numa fase de composição muito inicial. Depois teremos de ir para estúdio e vamos fazer isto paulatinamente. É um projeto para ser apresentado no verão ou em setembro/outubro e que depois vai estar em força no Natal.

Podemos contar com um concerto na Lousã?

Já atuei várias vezes na Lousã e fica o meu agradecimento à Câmara Municipal, que se tem lembrado de mim com alguma frequência. Foram espetáculos que me correram de forma maravilhosa.

Autor: Jornal Trevim

0 Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

    10 + 14 =

Meteorologia

Artigos relacionados

Trevim: Leia também Lousanense Rui Caetano distinguido nos Estados Unidos Sociedade
26 Jan 2023 12:01 AM

O antigo futebolista lousanense Rui David Caetano, que nos anos de 1960, ainda criança, emigrou com a família para os Estados Unidos da América (EUA), foi distinguido neste país no dia 23, passando a integrar o Hall da Fama do...

Ler artigo
Trevim: Leia também Manuela Redondo agraciada pelos Bombeiros da Azambuja Sociedade
26 Jan 2023 12:01 AM

A lousanense Manuela Redondo, residente nas Caldas da Rainha, foi distinguida pelos Bombeiros Voluntários da Azambuja, tendo recebido uma medalha de gratidão e um diploma pelo apoio que tem prestado à associação humanitária. Leia a notícia completa na edição n.º...

Ler artigo
Trevim: Leia também ‘Sábado Cultural’ associou literatura, música e caricatura Cultura
26 Jan 2023 12:01 AM

A iniciativa voltou a ter lugar na Biblioteca Comendador Montenegro, “um espaço polivalente, onde se divulga, se partilha, se conversa, onde entendemos que deve habitar a cultura e a arte”, disse Henriqueta Oliveira, vice-presidente da Câmara, na abertura do programa,...

Ler artigo
Trevim: Leia também Ana Pinto, ou a língua francesa com rosto humano Sociedade
26 Jan 2023 12:01 AM

A Alliance Française, que durante mais de duas décadas foi uma entidade cultural para cerca de um milhar de jovens lousanenses, encerrou a sua atividade há dez anos atrás. Ficará sempre associada a esta organização internacional Ana Pinto, a professora...

Ler artigo
Trevim: Leia também Paulo Carvalho agraciado por obra pedagógica na área do turismo Sociedade
26 Jan 2023 12:01 AM

O investigador Paulo Carvalho, natural da Lousã, venceu a 13ª edição do Prémio Joaquim de Carvalho, instituído pela Imprensa da Universidade de Coimbra (IUC), tendo recebido o galardão no dia 23. Casimiro Simões Leia a notícia completa na edição n.º 1501 do Trevim.

Ler artigo
Trevim: Leia também ‘Ludobike’: a nova bicicleta itinerante de jogos tradicionais e de tabuleiro Sociedade
26 Jan 2023 12:01 AM

Entre jogos de macaca, tabuleiro, musicais, boccia, corridas de sacos e saltar à corda, miúdos e graúdos juntaram-se na Praça Sá Carneiro, no último domingo, dia 22, para a primeira edição do ‘Lousã a Jogar’. Leia a notícia completa na...

Ler artigo
Definições de Cookies

A TREVIM pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.

Estes cookies são essenciais para fornecer serviços disponíveis no nosso site e permitir que possa usar determinados recursos no nosso site.
Estes cookies são usados ​​para fornecer uma experiência mais personalizada no nosso site e para lembrar as escolhas que faz ao usar o nosso site.
Estes cookies são usados ​​para coletar informações para analisar o tráfego no nosso site e entender como é que os visitantes estão a usar o nosso site.

Cookies estritamente necessários Estes cookies são essenciais para fornecer serviços disponíveis no nosso site e permitir que possa usar determinados recursos no nosso site. Sem estes cookies, não podemos fornecer certos serviços no nosso site.

Cookies de funcionalidade Estes cookies são usados ​​para fornecer uma experiência mais personalizada no nosso site e para lembrar as escolhas que faz ao usar o nosso site. Por exemplo, podemos usar cookies de funcionalidade para se lembrar das suas preferências de idioma e/ ou os seus detalhes de login.

Cookies de medição e desempenho Estes cookies são usados ​​para coletar informações para analisar o tráfego no nosso site e entender como é que os visitantes estão a usar o nosso site. Por exemplo, estes cookies podem medir fatores como o tempo despendido no site ou as páginas visitadas, isto vai permitir entender como podemos melhorar o nosso site para os utilizadores. As informações coletadas por meio destes cookies de medição e desempenho não identificam nenhum visitante individual.