Os produtores de mel de Denominação de Origem Protegida (DOP) afetados pelos incêndios já podem, a partir de hoje, ir buscar açúcar à cooperativa Lousamel na Zona Industrial dos Matinhos, para alimentar as colmeias. As sete toneladas de mel disponibilizadas à cooperativa foram trazidas de Mangualde pelos serviços da Câmara Municipal da Lousã, a fim de serem distribuídos pelos sócios que ficaram prejudicados.

“Este é um apoio que o Estado decidiu atribuir aos apicultores das zonas afetadas onde não há pasto. Isto é uma primeira fase em que o Governo fez a distribuição de 120 toneladas de açúcar por quatro diferentes depósitos, na Batalha, Mangualde, Mirandela e Castelo Branco. Poderá ainda vir uma segunda ou terceira fase, se for necessário”, referiu António Carvalho, presidente da direção da Lousamel.

Só no concelho da Lousã, arderam mais de mil colmeias.

António Carvalho dá conta de que cerca de 70% da área DOP foi dizimada pelos incêndios de 17 de junho e 15 de outubro, o que pode vir a comprometer a produção de mel, já que dos cerca de 120 apicultores inscritos no Programa Apícola Nacional, 50 foram afetados.  “Com esta desgraça, a produção está comprometida. Não sei como vai ser a sobrevivência da flora, nos próximos três anos”.

 

Continua na edição impressa do Trevim n.º1366