Patrícia Carvalho

“Lousã, Comunidade Amiga dos Bebés” é um projeto da Unidade de Cuidados na Comunidade Arouce (UCC Arouce) que promove o Aleitamento Materno (AM) no concelho da Lousã. O intuito é elevar as taxas de AM exclusivo até aos 6 meses e aumentar a sua duração global ao longo dos anos.

Vencedor do prémio “Missão Continente Sorriso 2016”, este projeto está a dinamizar um conjunto de atividades. Até 2 de fevereiro, está em exposição no átrio da Biblioteca Municipal Comendador Montenegro um conjunto de desenhos, fotografias e frases sobre a amamentação. Foi no dia 30 que se concretizou a Cerimónia Pública do projeto “Lousã, Comunidade Amiga dos Bebés”. No auditório da Biblioteca Municipal da Lousã, a enfermeira Amélia Lopes – coordenadora do UCC Arouce – fez um breve enquadramento do projeto, sendo referenciado que a UNICEF certificou o Centro de Saúde da Lousã como “Unidade de Saúde Amiga dos Bebés”, incluindo formação especializada aos profissionais de saúde. Além disso, também se formalizaram as parcerias através do compromisso em seguir a política de AM, dando resposta em várias atividades do concelho e faixas etárias.

Também existe certificação para as farmácias do concelho aderentes – “Farmácia Amiga do Aleitamento Materno” – com formação especializada para farmacêuticos, contudo as parcerias ainda não estão formalizadas. Relativamente aos estabelecimentos hoteleiros e de restauração do concelho, todos os que estabeleceram protocolo e estiveram presentes, no dia 30, receberem um selo autocolante de “Estabelecimento Amigo dos Bebés” e uma almofada de amamentação para que possam disponibilizá-la a quem queira amamentar, bem como uma sessão de sensibilização.

Os estabelecimentos comerciais também terão parcerias, contudo, neste caso será destinada à venda de produtos relacionados com o aleitamento materno, estando os mesmos igualmente relacionados com os artigos das diferentes lojas.

A nível educativo, o AM será promovido nos estabelecimentos escolares junto das crianças, jovens e profissionais, conforme as faixas etárias. Porém, na cerimónia pública, já foram divulgados os melhores desenhos das crianças do 1.º CEB (Tiago Correia – 1.ºC, Carolina Leitão 2.º A, Pedro Miguel Reis 3.º B, Diana 4.ºB), galardoados com entradas livres na Piscina Municipal da Lousã.

Foram também entregues às educadoras dos estabelecimentos pré-escolares do concelho bonecas artesanais de pano que amamentam – “Manitas de Luz”. Por fim, para a terceira idade, foi disponibilizada uma coletânea de histórias de amamentação às idosas que frequentam os Centros de Dia do concelho.

Amamentação previne obesidade

Portugal entre outros países europeus, tal como França, Grécia e Reino Unido, é aquele em que cerca de 60% das crianças portuguesas são amamentadas durante seis meses ou mais, um período superior aos países supracitados. Esta é uma das conclusões do projeto europeu HabEat, no qual acompanharam o crescimento e o desenvolvimento de crianças das quatro nacionalidades, desde o nascimento.

O objetivo desta investigação era verificar o efeito da duração do aleitamento materno e da introdução precoce de alimentos na obesidade infantil. Por isso, durante o estudo foram avaliadas as práticas de alimentação infantil nos primeiros meses/anos de vida das crianças, bem como o peso, a estatura, o índice de massa corporal e a quantidade de massa gorda aos quatro e cinco anos de idade, nos quatro países.

Da recolha foi possível concluir que 6,4% das crianças portuguesas iniciam a diversificação alimentar antes dos quatro meses, enquanto no Reino Unido isso acontece com 72,3% das crianças e em França com 29,1%.

Andreia Oliveira, investigadora portuguesa da Unidade de Investigação em Epidemiologia do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, partilhou com o jornal Público que alguns estudos mostram que uma maior duração do aleitamento materno parece prevenir o desenvolvimento de obesidade infantil, todavia estão em desenvolvimento outros trabalhos investigativos para consolidar esta premissa.