O concelho da Lousã é a sede da Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) acolhendo as reuniões semanais dos 18 elementos com que a entidade arranca a sua atividade, sob a coordenação do engenheiro florestal, Tiago Oliveira. Com um técnico alocado nas Comunidades Intermunicipais a nível nacional, uma das principais funções desta agência é garantir apoio técnico e agregar as entidades de prevenção e combate a incêndios do país. “Tivemos hoje a oportunidade de conhecer os primeiros responsáveis regionais da AGIF e portanto será uma mais – valia efetiva para toda a estratégia de prevenção e combate aos incêndios florestais”, referiu o primeiro-ministro, António Costa, na conferência de imprensa de apresentação da AGIF, no Centro de Operações e Técnicas Florestais, na Lousã, dia 20.

“Recordo que uma das principais recomendações da Comissão Técnica Independente da Assembleia da República era que houvesse uma entidade única, com capacidade integradora das diferentes valências da prevenção, que recai sobre o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, e vigilância e combate sobre a responsabilidade da GNR e a Autoridade Nacional de Proteção Civil”, lembrou o chefe do governo. Com pendor nacional, o coordenador Tiago Oliveira destacou a prontidão da equipa em colocar “as botas no terreno e dar o apoio que é necessário à sociedade civil que existe nessas mesmas regiões”, com um “regime de comunicação próprio” e “conhecimento dirigido aos problemas concretos de cada uma das regiões”.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1397