Carlos Ramalheiro

Embarcamos hoje, no convés das chamadas injustiças sociais do século XX, onde a pobreza, continuava a ser a sagrada tradição da nossa terra e, a fome, obrigava o pobre a gostar das coisas…

Isaura Correia, mais conhecida na Lousã por Isaura “Manca”, foi uma mulher lousanense, que conheceu no corpo e na alma, a verdadeira pobreza. Nasceu no seio de uma família paupérrima, onde reinava a miséria 24 horas por dia, num tempo em que, a Reforma Agrária, ainda não se vislumbrava. Em Baleizão o latifúndio, na Lousã o minifúndio que os nossos pais bem conheceram, cada qual à sua maneira. Trabalhava-se de sol a sol no obscurantismo desses campos, em parte com gente analfabeta, rude, simples, mas acima de tudo humilde.

A camponesa Catarina Eufémia, dois anos mais nova que Isaura, era assassinada no Alentejo, por um militar da GNR, a 19 de maio de 1954. A Isaura, não morreu como Catarina, mas foi partindo aos poucos. Ela sabia que não ia ficar na história da nossa terra, pois essa, está sempre reservada ao proeminente e nunca ao pobre injustiçado. Foi sempre assim, sabemos…

Isaura Correia

Era filha de Maria José “Manca”, que teve ainda mais dois filhos, a Júlia já falecida e o Pedro, guardador de cabras ainda entre nós, mas invisual e que foi o primeiro trabalhador da ARCIL. A casa na Ponte do Areal, onde viviam em comunhão de mesa com o tio António (irmão de Maria José) era dividida entre a pobreza e a felicidade subjugante. Esta pobre gente, partilhava o casebre com a grande quantidade de cabras, pertencentes aos variados talhos lousanenses de então. Depois do pasto, entre montes e vales embaraçosos, seguia-se a ordenha, único sustento desta gente. Litros de leite mungido e suado, que bebiam e vendiam. Amargos de boca, eis a questão…

A história desta senhora lousanense, nascida a 31 de julho de 1926, congela-nos o entendimento. Foi mãe solteira aos 32 anos de idade e algo mais tarde outra vez. Trabalhava em jornadas de sobrevivência para sustentar e educar a filha Cândida e o filho Júlio, que veio a ser mais tarde, uma destacada figura da cultura lousanense, quer no desporto, quer no folclore. O Júlio conta-nos que viveram nas conhecidas “Casas dos Pobres” na Rua de Coimbra. Pesaroso, lembra-se das amarguras passadas por sua mãe e pela justificável falta diária de carne ou peixe, em sua mesa…

Com efeito Isaura “Manca”, acumulava em si um magnete de pouca sorte. Poucos anos antes de falecer, foi colhida por uma viatura da Câmara Municipal, em frente ao Cineteatro e jamais recuperou desse acidente. Foram-lhe amputadas, algo depois ambas as pernas, partindo a 6 de setembro de 2001, certamente para um mundo melhor…

“Pedaços de ternura luzente, sob um céu lousanense de treva densa”.

Carlos Ramalheiro

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Crónica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Rugby Club da Lousã vence taça Bowl do Algarve Sevens

Henrique Batista, capitão da equipa recebeu o trofeu das mãos de Nuno Salvador Secretário …